Comer ovos não aumenta o colesterol nem as chances de infarto

Foto: Reprodução/Groupon
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Foto: Reprodução/Groupon

As dietas sempre têm vilões, alimentos a serem evitados a todo custo. Por muito tempo, o vilão da vez foi o ovo. O “zoiudo” era mal visto em décadas passadas porque, segundo a Ciência, fazia mal ao coração, causando colesterol alto e aumentando as suas chances de sofrer um infarto. Ou seja, você deixou de comer muito ovo frito com a gema mole com medo do seu coração pifar.

Leia também:
Inglês pede a namorada em casamento na capa de um jornal

Pois bem. Pesquisas mais recentes mostram que a sua intenção já supunha: comer ovo não faz mal ao coração. O ovo sempre esteve relacionado ao LDL – o chamado colesterol ruim. Nisso as pesquisas acertaram, esse tipo de colesterol efetivamente não faz bem à saúde. No entanto, os cientistas descobriram que comer um alimento com colesterol não necessariamente fará com que os níveis de LDL na sua corrente  sanguínea subam, de acordo com cientistas da Universidade do Leste da Finlândia.

O estudo dos finlandeses começou a ser realizado em 1984. Por 30 anos, os estudiosos coletaram dados de 1032 homens, com idades variando entre 40 e 60 anos. Esses homens foram alimentados até 1989 com dietas ricas em colesterol – pelo menos um ovo por dia, além da ingestão de 520 mg de colesterol. Cerca de 30% desses homens possuíam o gene APOE4, responsável por um mau transporte do colesterol pelo corpo.

Depois dessa dieta intensiva em colesterol, os participantes do estudo foram monitorados por mais de 20 anos. A ideia era saber quais deles iriam desenvolver colesterol alto ou doenças cardíacas. Os resultados foram conclusivos: não houve um aumento nas taxas de doenças cardíacas em quem ingeriu mais ovos – nem mesmo entre os portadores do gene APOE4. Resumindo: pode comer aquele bife a cavalo no almoço sem medo de ser feliz.

Siga o Vi na Internet no Twitter: @vi_na_internet

Charles

Jornalista desde 2001. Já cobriu Economia, Meio Ambiente e Tecnologia, com passagem pela Agência USP de Notícias, jornal DCI, MSN, UOL e Yahoo. Já foi correspondente internacional do site Opera Mundi. Mestre em Jornalismo pela USP, dá aula sobre Informação e Novas Mídias na ECA/USP e é fascinado pelas novidades que aparecem na internet.

Comentários

Pin It on Pinterest

Share This